Terça, 20 de Abril de 2021
89 98812 7528
Câmara dos Deputados Câmara dos Deputados

Centro de Estudos da Câmara deve concluir neste ano análise sobre perfil da dívida pública

Cedes também pode finalizar trabalho sobre atenção primária à saúde e iniciar dois novos estudos em 2021

07/04/2021 20h55
Por: Toinho Alves Fonte: Agência Câmara de Notícias
Félix Mendonça Júnior:
Félix Mendonça Júnior: "“Esse aumento de 0,75 da Selic que o Banco Central fez representa um custo para o Brasil de R$ 30 bilhões ao ano - (Foto: Cleia Viana/Câmara dos Deputados)

O presidente do Centro de Estudos e Debates Estratégicos da Câmara (Cedes), deputado Da Vitória (Cidadania-ES), informou que o grupo pretende concluir neste ano os estudos sobre a dívida pública brasileira e a atenção primária à saúde, além de abrir dois novos estudos que deverão ser escolhidos pelos deputados ainda neste mês.

O coordenador do estudo sobre a dívida pública, deputado Félix Mendonça Júnior (PDT-BA), disse que o grupo terá novos elementos de debate após a aceleração do crescimento da dívida por causa dos gastos com a pandemia. Segundo ele, é preciso saber as características da dívida e os grupos que são detentores dos títulos. E citou um exemplo de como as mudanças de cenário econômico afetam a dívida:

“Esse aumento de 0,75 da Selic que o Banco Central fez representa um custo para o Brasil de R$ 30 bilhões ao ano. Ou seja, um terço de toda a economia que foi feita na reforma da Previdência”, explicou o deputado.

Desperdício na saúde
No estudo sobre a atenção primária à saúde, o coordenador, deputado Dr. Luiz Ovando (PSL-MS), disse que deve concluir até julho uma pesquisa com médicos que atuam na área de clínica geral e enfermeiros, para saber o que pode ser melhorado. Até agora, o diagnóstico é o de que não há valorização desta área que atua na prevenção de doenças mais graves:

Deputado Dr. Luiz Ovando:
Deputado Dr. Luiz Ovando: "Brasil gasta mais de R$ 2 bilhões por ano em casos crônicos que poderiam ser evitados - (Foto: Michel Jesus/ Câmara dos Deputados)

“Não há valorização política, não há valorização social, não há valorização econômica. E nós queremos trabalhar neste sentido. Buscar um outro modelo dentro do SUS para que verdadeiramente nós possamos ter os casos resolvidos, solucionados e reduzidos. E o desperdício estancado. Porque infelizmente é o que acontece porque o Brasil gasta mais de R$ 2 bilhões por ano em casos crônicos que poderiam ser evitados se bem acompanhados. São internados, complicados e acabam evoluindo de forma adversa”, observou.

O consultor legislativo Fábio Gomes lembrou que o Sistema Único de Saúde (SUS) é dividido em mais de 400 regiões, mas que muitas delas não estão efetivamente implantadas. Segundo ele, durante a pandemia, foi verificado que algumas não tinham leitos de UTI.

Anúncio
-
Atualizado às 21h00 - Fonte: Climatempo
°

Mín. ° Máx. °

° Sensação
km/h Vento
% Umidade do ar
% (mm) Chance de chuva
Amanhã (21/04)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. ° Máx. °

Quinta (22/04)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. ° Máx. °

Ele1 - Criar site de notícias